Sob o céu de Atibaia

Por José Maria dos Santos.

Certamente os ares bucólicos e balsâmicos de Atibaia sugeriam assuntos mais agradáveis do que o espinhoso tema do combate urgente ao crime organizado e à corrupção transnacionais, que estão atingindo níveis insuportáveis, particularmente em nosso país e na América do Sul.  No entanto, essa era a pauta da conferência feita pelo desembargador Wálter Fanganiello Maierovitch no 18º Congresso da FACESP, para o qual fora especialmente convidado, na quinta-feira passada, 23 de novembro.  FACESP vem a ser a Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo, as quais se distribuem em 20 regiões. Cada uma havia mandado seu vice-presidente como delegado oficial.  A entidade tem uma bela história atrás de si, a partir da fundação da centenária Associação Comercial de São Paulo em 1894. A ACSP, como é conhecida, tem, desde seu início, participado intensamente da vida de São Paulo naquilo que diz respeito às condutas progressistas, sejam éticas, cívicas ou administrativas. Em 1932, por exemplo, teve papel destacado em apoio à Revolução Constitucionalista e à Democracia contra a ditadura de Getúlio Vargas, que custou a prisão e exílio do seu então presidente Carlos de Souza Nazareth. A entidade estava bem representada pelo seu atual dirigente, Alencar Burti e o ex-presidente Rogério Amato.

Rogério Amato, Alencar Burti e Wálter
Wálter durante palestra no 18º Congresso da FACESP

A rigor, o evento propiciou o útil desempenho de Wálter como palestrante e candidato ao Parlamento italiano como deputado. Fora convidado especialmente para discorrer sobre o combate ao crime organizado e corrupção transnacionais, com extensão às Operação Mãos Limpas e Lava-Jato, matéria  que é a espinha dorsal da sua plataforma nas eleições de março próximo, pelo Movimento Progressista e Democrático. O desfecho foi perfeitamente satisfatório e produtivo. A palestra, além dos delegados da FACESP, foi acompanha por 1600 ouvintes, conforme atesta o livro de presenças. Entre os convidados, se alinharam George Teixeira Pinheiro, presidente da Confederação Brasileira das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil, que colocou o importante apoio da entidade à disposição da campanha. Assim também ocorreu com Valter Moura, presidente  da Associação Comercial de São Bernardo do Campo;  A. Flosi, da Associação Comercial e Industrial de Campínas;  Moisés Antonio Leite, representante da Associação Comercial e Empresarial de Echaporã.

A reação entusiasmada da platéia à conferência, traduzido em novos convites para repeti-la nos mais variados recantos do interioir paulista, demonstrou que a aspereza do tema está tendo promissora receptividade em todos os lugares para onde o desembargador Fanganiello Maierovitch vá, sinalizando que bons tempos nos esperam; que as atuais nuvens carregadas passarão. Mas isto não faz esquecer que também seria extremamente revigorante falar dos bons ares; dos perfumes das montanhas, bosques e orquídeas; do sabor dos morangos e cogumelos que são coisas que Atibaia oferece com fartura.

Morangos de Atibaia

Não é estância climática por acaso.  A 66 km de São Paulo

COMPARTILHAR
Artigo anteriorNas terras capixabas
Próximo artigoGente que está céu

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here